4 maneiras diferentes de trabalhar a força na academia

O treinamento na academia não precisa ser monótono e chato se você alternar o método de trabalho.

O inverno tende a aumentar a frequência com que treinamos na academia e, se não dermos alguma variedade aos exercícios, eles podem se tornar monótonos e chatos. Nós lhe oferecemos 4 opções para que isso não aconteça:

Grupos musculares

Esta forma de treinamento consiste em trabalhe um ou dois grupos musculares todos os dias, para que o treinamento seja mais concentrado em termos de carga e intensidade para o mesmo músculo, mas com as limitações da fadiga.

Você deve dar pelo menos 48 horas de descanso ao grupo muscular trabalhado antes de exercitá-lo novamente.

Eu trabalho de corpo inteiro.

É trabalhar vários grupos musculares na mesma sessão. Em relação ao método anterior, essa forma de trabalhar nos permitirá maior frequência de treinamento, visto que a fadiga e o estresse dos músculos são menores proporcionando interrupções intermediárias na rotina com o trabalho de outros músculos.

Da mesma forma, o volume e a intensidade total do treinamento em uma semana podem ser maiores que o método anterior.

Trabalho funcional.

Este termo abrange cada vez mais tipos de exercícios sem um limite claro do que podemos considerar funcionais ou não. Referimo-nos a isso aludindo ao ques exercícios realizados com seu próprio peso corporal, com material de instabilidade, com bandas elásticas, bolas de medicina, etc.

Eles são bons recursos para saia da rotina de máquinas e halteres, mas você precisa de experiência e progressão no treinamento para realizar esses exercícios.

Força + cardio.

Outra boa opção é circuitos ou trabalhos alternativos de corpo inteiro onde você faz exercícios da parte inferior do corpo e da parte superior do corpo alternadamente, com pequenos períodos extenuantes em máquinas de cardio (esteira, elíptica, bicicleta, remo). Nesta forma de trabalho, deve-se levar em consideração que o trabalho de hipertrofia (8-10RM) com o trabalho de potência aeróbia máxima (95-100% VO2máx) apresenta interferências ao produzir ambas as adaptações periféricas opostas, por isso não é conveniente combiná-las em a mesma sessão.

Nosso conselho não é que você alterne livremente este tipo de treinamento, mas que tenha conhecimento de diferentes formas de trabalhar e procure profissionais que o orientem em direção aos seus objetivos.

 Laura Garcia Cervantes

Dra. Ciências da Atividade Física e Esporte

Diretor de Esportes do Club Trikatlón Tres Cantos

Instrutor Sênior de Triatlo e Natação

Treinador Especialista em Paratriathlon

Publicações Relacionadas

Botão Voltar ao topo