O novo golo de Javier Gómez Noya

O galego já tem um novo objetivo após descartar Kona

Javier Gómez Noya anunciou hoje a sua decisão de foco no World Half Ironman, como resultado das consequências que o COVID o deixou no mês de maio.

Foi pouco antes de viajar para os EUA para participar da Copa do Mundo em St George, Utah, então também adia sua participação na Copa do Mundo no Havaí, em Kona, até 2023.

O embaixador desportivo do Santander manteve hoje um encontro com a imprensa no Santander Work Café no Paseo de Recoletos em Madrid e garantiu que, apesar da frustração inicial, mantém viva a ilusão porque “A temporada ainda não está perdida".

 Javier Gómez Noya explicou que a doença “me bateu forte” e sofreu “fadiga, dores musculares” e até teve “uma complicação, embora menor, a nível cardíaco mas você sempre tem que ter cuidado.” Isso atrasou seu retorno à atividade e, agora, em vista do calendário, ir a Kona "teria sido uma loteria".

 "Foi um ano difícil, com muitos altos e baixos. Um dia antes de viajar para St George, fiquei doente e tive que cancelar.

Foi um COVID complicado, me deixou com algumas consequências. É por isso que fiquei todo esse tempo sem competir e tive que treinar um pouco mais fácil por alguns meses.

Agora, finalmente, tudo está no lugar e já estou treinando com muita consistência, melhorando meu nível e estabelecendo metas para mim.

Até agora não consegui definir um calendário porque não sabia como o meu corpo ia responder", disse. Supere o buraco, "Estou ansioso para voltar ao trabalho."

“Foi frustrante, sim. Comecei o ano vencendo em Pucón em janeiro e tive muito tempo para me preparar para o Ironman.

Treinei muito, fiz duas concentrações em altitude, estava em Mallorca e quando estava fazendo a afinação fiquei doente e esse trabalho não pôde ser refletido, e é isso que te deixa mais irritado. Mas é assim que as coisas são e é hora de seguir em frente"Ele estressou.

"Meu objetivo era Kona, mas isso é complicado principalmente pelo período de qualificação que termina em duas ou três semanas e acho que seria arriscado competir para qualificar, não faria a preparação adequada e seria meio que uma loteria.

Então ele teria que se recuperar e também não teria tempo suficiente para Kona. Então pensando um pouco com a cabeça, é melhor para este ano focar no meio campeonato mundial de Ironman para o qual estou qualificado e é em meados de outubro".

Ele também planeja competir em testes de PTO.

Javier Gómez Noya planeja, assim, participar de alguns testes de PTO, Especificamente, na citação Dallas.

"É no mês de setembro e Eu gostaria de estar lá e possivelmente também fazer algum outro teste na Espanha perfil mais baixo para começar a filmar no final de agosto, por exemplo. E sim, não descarto acabar com um Ironman pensando em Kona até 2023".

O embaixador do Santander Esportivo disse estar especialmente atraído pelas competições do PTO porque “eles também estão fazendo corridas muito interessantes, é onde há melhores prêmios, onde os melhores triatletas se encontram e onde os profissionais são mais bem tratados".

A distância 70.3 é, afinal, uma de suas especialidades. “Já fui bicampeão mundial no meio ironman.

O nível, claro, é muito alto. É uma prova onde as melhores distâncias longas e curtas se juntam e no final é onde existe o nível mais alto do mundo do triatlo.

Então meu sonho é ganhar de novo. Vamos com tudo e depois veremos onde a classificação coloca cada um de nós".

 E se for um ano perdido? “Ainda não considero um ano perdido”

Se eu ganhar a Copa do Mundo de 70.3 terá sido ótimo, se não, terá sido outro ano ruim.

Ainda estou a tempo. Sei que o objetivo de Kona não é realista e vou me concentrar em outras corridas. Agora é o que toca. A temporada ainda pode ser salva.”

Nova vida, nova disciplina

 Apesar das dificuldades, Javier Gómez Noya voltou a frisar que sua decisão de deixar a distância olímpica para a longa distância não pode ser revertida, pelo menos por enquanto.

A distância olímpica está estacionada. Não penso em voltar.

Eles me pediram para competir no World Series em Pontevedra, que eu ajudei a fazer, mas ainda me sinto um atleta e agora o que me motiva é a longa distância e é nisso que estou trabalhando”.

 Além disso, “depois de tantos anos aqui é difícil manter a ilusão, mas se eu me aposentasse continuaria praticando esportes porque gosto desse estilo de vida saudável.

Quando você já passou muito tempo como eu na distância olímpica e com muito sucesso, às vezes é fácil chegar ao portão de largada e não sentir aquele bicho, já parece mais um dia no escritório. E acho que isso não é bom.

No meu caso, a mudança para a distância é uma renovação de motivação e esperança, de coisas para aprender e melhorar e isso tem sido bom para mim manter esse desejo porque estou enfrentando algo mais desconhecido e mais novo".

 O embaixador do Sports Santander explicou como sua forma de treinar mudou:

“A moto ganhou mais destaque, também contra o relógio, eu faço mais trabalho de força, cuido para que o nível de nutrição seja mais eficiente e na natação baixei um pouco a intensidade e na corrida passei de intensidade para mais volume para controlar a resistência muscular após 5 horas de competição”.

 E embora sinta falta de competir com tanta frequência, nada nem ninguém o fará mudar de rumo por enquanto.

“Agradeço que a federação e também a internacional me dêem trabalho e, apesar de querer continuar ligado a este desporto, por enquanto ainda sou atleta profissional”.

Publicações Relacionadas

Botão Voltar ao topo
Alterar as configurações de privacidade