Roadsurfista
Óculos de natação Zoggs
Clube La Santa Vuelta ciclismo Lanzarote 2024

Mario Mola "Acho injusto falarmos de mundial num dia"

"Não é justo equiparar isso a uma Copa do Mundo como a que tivemos nos últimos anos"

O tricampeão mundial de triatlo, o espanhol Mario mola  e vice-campeão em 2019 participará neste final de semana no Hamburg WTS que também será o Campeonato Mundial de Triatlo de 2020.

Em entrevista publicada por Crônica balear, Mario comenta como ele enfrenta o teste e quais serão seus próximos objetivos.

Como você vê a Copa do Mundo daqui a um dia?

 Existe uma oportunidade de competir e isso é o importante. Acho que não é justo falarmos de um campeonato mundial de um dia quando houve relativamente pouca previsão em relação à corrida; e considero que tem muita gente que não conseguiu treinar nas melhores condições, tem até gente que não vai conseguir estar na linha de partida.

Eu valorizo ​​positivamente que podemos competir em um evento internacional. Acho que é bom para todos. Mas, sem dúvida, não é justo equiparar isso a uma Copa do Mundo como a que tivemos nos últimos anos.

Você ficou surpreso com a decisão de fazer a Copa do Mundo dessa forma?

Claro que fiquei surpreso.

Em outras ocasiões, além da Copa do Mundo, houve um campeonato mundial de distância de sprint; E acho que não é a coisa mais adequada tentar igualar isso ao campeonato mundial que tivemos até agora, que nos últimos dez ou onze anos tem sido o 'World Series'.

A prova é realizada em distância de sprint, você acha que te beneficia?

É verdade que Hamburgo é um teste em que geralmente sou bom; e na distância do sprint são provas nas quais me defendi bem. Mas olha, é um ano diferente e no qual todos nós começamos do zero.

Por isso vou com a mesma ambição e desejo com que me apresentei nos anos anteriores no início; e claro, com a intenção de fazer um bom teste, que é o principal interesse e motivação.

Como você se sente depois de ter alcançado o mínimo e o recorde das Baleares em 5.000?

A incerteza nas corridas, ou pelo menos no triatlo, onde tem sido difícil para nós ver o calendário definido, optamos por procurar objectivos diferentes, que pelo menos nos ajudem a ficar ligados à época.

E o facto de estar aqui, em Maiorca, permitiu-me correr 3.000 na pista. E depois houve a oportunidade de correr em Castellón, na segunda-feira passada. Foi uma experiência muito boa, me senti muito bem e gostei de correr, o que é o importante. E espero que me sirva para essas corridas.

Claro, o fato de bater o recorde das Baleares (de 5.000) é algo que me enche de orgulho. Foi algo que eu não imaginei, não esperava poder atacar aquele recorde este ano. Mas foi mais um incentivo, estar na linha de partida e tentar dar cem por cento. E estou muito feliz com isso.

Esta Copa do Mundo será um teste mais aberto? Haverá muitas faltas devido a restrições

Espero que, como sempre, aqueles que se mostraram capazes de competir em qualquer prova, seja na distância olímpica ou no sprint, estejam na frente.

Já estamos acostumados, mas não podemos esquecer que existem pessoas importantes como os australianos, os neozelandeses e talvez um americano que não poderá viajar e não poderá.

E, claro, isso sempre afeta a corrida. E é realmente uma pena que eles não consigam começar.

Quem serão os principais rivais em Hamburgo?

Espero que aqueles que se mostraram em um bom nível continuem lá. E é claro que é uma grande oportunidade para os mais jovens entrarem na luta pelos primeiros lugares.

No final, temos a experiência do fim de semana anterior no (Grande Prêmio da) França. Sabemos que os noruegueses vão ficar bem; os colegas belgas estão bem; (o francês) Vicente Luís (último campeão mundial) não competiu, mas sabemos que no sprint ele é muito forte.

E confio no grupo de espanhóis que estará lá, com (os Talaverano) Fernando (Alarza), (o Galego Antonio) Serrat, (o valenciano) Roberto Sánchez Mantecón ... Acho que qualquer um deles terá condições de lutar pelos primeiros lugares.

Você acha que é uma boa opção comemorar a Copa do Mundo em apenas um dia?

O facto de haver uma prova a nível internacional é muito positivo, que pode até ser valorizado que haja um campeonato mundial de distância sprint, por isso coroar pelo menos um campeão mundial este ano consigo perceber, mas, tendo em conta que vai ter gente que não vai poder estar lá, insisto que não é comparável ao campeonato do mundo que tivemos nos últimos anos.

Que planos você tem para o resto da temporada?

Minha ideia é estar em Madri nos dias 12 ou 13 de setembro, para disputar o campeonato 5.000 na Espanha.

E a partir daí, acho que ainda temos algumas provas da Copa do Mundo, na Itália, em meados de outubro; algum teste do Grande Prêmio da França no início de outubro também ... vamos ver.

Espero que tudo seja mantido e que possamos continuar com o calendário. Mas agora temos que nos concentrar no presente. E, daqui a um mês, tudo parece muito distante, ainda.

Não há resultados anteriores.

Publicações Relacionadas

Botão Voltar ao topo