Óculos de natação Zoggs
Clube La Santa Vuelta ciclismo Lanzarote 2024
Roadsurfista

Quais são as lesões mais comuns no ciclismo?

Muitas vezes, essas lesões não traumáticas ocorrem devido a uma adaptação incorreta ou incorreta da bicicleta.

As pessoas que praticam ciclismo (ciclistas e triatletas) geralmente apresentam lesões nos membros superiores muito diferentes das de outros esportes.

Alberto Sacristán escreveu um artigo interessante para nosso colaborador Resistência da vitória onde ele nos fala sobre as lesões mais comuns dos membros superiores no ciclismo

Introdução

Lesões não traumáticas geralmente são produzidas como consequência de uma sobrecarga que pode ou não ser acompanhada por uma técnica inadequada. Estamos falando de lesões crônicas.

Para se chegar ao diagnóstico correto e assim poder aplicar o tratamento adequado, como em toda lesão de qualquer atleta, é necessário fazer uma história cínica completa com uma anamnese detalhada, perguntando onde ocorre o ponto de maior dor ou lesão, como apareceu a dor ou a lesão, há quanto tempo está assim, a evolução desde que começou a dor ou a lesão, se houver alguma situação que melhore ou agrave, ... Mas também nas lesões de ciclistas ou triatletas, será de grande Ajuda poder avaliar o atleta na bicicleta, explorando assim sua posição e sua correta adaptação à bicicleta.

Muitas vezes, essas lesões não traumáticas ocorrem devido a uma adaptação incorreta ou incorreta da bicicleta.

Revisão anatômica do membro superior

Na mão distinguimos três áreas com 27 ossos no total: carpo (punho com 8 ossos), metacarpo (com 5 ossos) e dedos. O antebraço tem 2 ossos (ulna e rádio) e o braço apenas 1, o úmero.

Ossos da mão

A descrição anatômica dos músculos, tendões, ligamentos, artérias, veias e nervos é bastante complexa, por isso não iremos nos aprofundar além do que as imagens podem fornecer.

músculos da mão

Lesões de bicicleta

Pessoas que praticam ciclismo (ciclistas e triatletas) frequentemente apresentam lesões de membro superior muito diferentes de outras modalidades esportivas onde predominam lesões como epicondilite, tendinopatia do manguito rotador ou outras. Neste esporte, outras lesões aparecem descritas abaixo:

Síndrome do túnel carpal:

Aparece como consequência da compressão do nervo mediano. Pode até surgir como consequência de um pequeno microtrauma no mesmo nível da inflamação periférica e irritação nervosa. Da mesma forma, se a mão for posicionada na parte superior do guiador, com o carpo em extensão máxima, ocorrerá um alongamento excessivo do nervo, causando também irritação.

Como consequência, os sintomas que aparecem são os de alteração da atividade motora fina, hipoestesia e parestesia (dedos adormecidos) do polegar, indicador, médio e médio do dedo anular. Esta situação é descrita pelos pacientes como "dedos de manteiga", uma vez que os objetos freqüentemente caem devido à falta de força de preensão. No exame, geralmente encontramos uma manobra de Phalen positiva (manter a flexão máxima do punho por um minuto) e um sinal de Tinel igualmente positivo (parestesias são reproduzidas com percussão na área comprimida)

Essa sintomatologia geralmente só ocorre com a prática esportiva e desaparece fora do campo esportivo.

Como tratamento, a primeira opção será realizar um estudo biomecânico detalhado, com as modificações pertinentes nos diferentes níveis, selim, guiador, haste do guiador, ... Normalmente é o único tratamento, pois os sintomas costumam desaparecer com as correções pertinentes, mas se persistir os sintomas teriam que fazer radiografias, inclusive ressonâncias, para poder resolver a situação. Nestes casos, o uso de analgésicos geralmente não é indicado. Inicialmente, podemos usar medicamentos do grupo da vitamina B, pois eles reduzem a irritação dos nervos.

Síndrome do Canal de Guyon:

Nesse caso, o nervo afetado é o ramo motor do nervo ulnar. O mecanismo geralmente é o mesmo que no caso da síndrome do túnel do carpo, microtrauma ou compressão contínua ao nível do canal de Guyon com irritação nervosa. Essa compressão do nervo ulnar ocorre quando a mão é posicionada na parte superior do guiador com extensão máxima do carpo. Os sintomas que aparecem também são hipoestesia e parestesia, mesmo com perda de força do quinto e quarto dedos. O sinal Watemberg (separação permanente do quinto dedo) e o sinal Frament (atrofia hipotenar e garra ulnar dos dois últimos dedos) geralmente aparecem

Como tratamento, é fundamental modificar a posição da mão e do punho no guidão e evitar vibrações no mesmo nível. Pode ser interessante colocar rodas mais largas, inflar menos a roda e usar luvas acolchoadas. Para reduzir a irritação do nervo ulnar, o uso de vitaminas do grupo B pode ser recomendado.

Síndrome do Canal de Guyon

Tendinite de Quervain

A tendinite de De Quervain é a inflamação do abdutor longo do polegar e do extensor curto do polegar, ao nível do processo estilóide do rádio. Geralmente surge como consequência do punho apoiado no guidão com desvio ulnar. Devido a esta alteração da posição ao nível do guiador, ocorre uma angulação dos referidos tendões. O que realmente é produzido é uma inflamação ao nível do túnel ósseo fibroso, que é chamada de tenossinovite.

Tendinite de Quervain

Dor intensa aparece no nível do estilóide radial. A dor é agravada com a manobra de Filkestein, sendo positiva neste caso.

Tendinite de Quervain

Como tratamento usaremos uma órtese durante o dia, mesmo ao andar de bicicleta. Ir cedo ao fisioterapeuta irá garantir uma cura rápida ao usar técnicas como ultra-som, massagem Cyriax. Quando é um processo crônico, o uso da acupuntura em conjunto com medicamentos homopáticos e biorreguladores costuma ser muito eficaz.

Tendinossinovite dos extensores radiais e extensores dos dedos.

Esta lesão surge em ciclistas ou triatletas que treinam ou competem em longas distâncias e cuja superfície da estrada é irregular, pavimentada ou pavimentada. Ao treinar neste tipo de superfície, o atleta agarra o guidão com maior força, consequentemente os músculos do antebraço ficam sobrecarregados, causando hipertrofia dos músculos abdutor longo e extensor curto do polegar, que correm acima dos extensores radiais, que eles são comprimidos contra os planos profundos.

Geralmente há uma dor contínua nos movimentos de flexo-extensão do punho, às vezes até um leve estalido é ouvido. Quando a lesão se torna crônica, a lesão torna-se crônica, às vezes, uma leve extensão crepitante dos extensores radiais é ouvida. razo, produzindo ir, uma área inflamada aparece no nível da face dorsal do rádio.

Será necessário trocar os percursos de treinamento por outro tipo de asfalto, mais regular.

Alberto Sacristão

Mais informação: http://www.victoryendurance.com/

Foto: Trialcoy

Não há resultados anteriores.

Publicações Relacionadas

Botão Voltar ao topo