Clube La Santa Vuelta ciclismo Lanzarote 2024
Roadsurfista
Óculos de natação Zoggs

Excesso de proteína em nossa dieta?

Sandra Sardinhaespecialista em nutrição esportiva e colaborador do Triathlon News nos conta hoje a importância de não consumirmos muita proteína em nossa dieta.

 

 

É comum observar um consumo excessivo de proteína em triatletas, alguns investem muito dinheiro em shakes de proteína, barras de proteína e outros suplementos de aminoácidos (BCAA's, glutaminas, alanina, creatina ...) acreditando que precisam de grandes quantidades de proteína, para usá-los como energia, aumentar a massa muscular ou se recuperar mais facilmente.

 

As proteínas são muito importantes do ponto de vista nutricional, já que são fonte de nitrogênio para o organismo. Eles são compostos de aminoácidos, esses aminoácidos são usados ​​pelo corpo para:

 

  • Sintetizar (criar) proteínas próprias com funções plásticas ou estruturais.
  • Enzimas de sinterização e hormônios com função reguladora
  • Sintetizar anticorpos com função imunológica
  • Como fonte de energia (4kcal / g), na verdade a maioria dos combustíveis usados ​​para fornecer energia nos esportes são carboidratos (4kcal / g) e lipídios (9kca / g).

 

Embora essencial à vida, é importante controlar o excesso de proteína pois pode levar a problemas de saúde a médio e longo prazo. As proteínas não são encontradas apenas em produtos de origem animal como carnes, peixes, ovos ou laticínios, mas também em produtos vegetais como cereais, legumes ou nozes, portanto, é relativamente fácil atingir a recomendação de proteína.

 

 Alguns atletas precisam de mais proteína do que pessoas inativas, essa necessidade (1.2 a 1.6 g / kg de peso corporal), que é um pouco mais do que a dose diária recomendada, em quase todos os casos, pode ser suprida com uma dieta balanceada, que inclui diariamente proteínas de alto valor biológico (origem animal).

 

Ou seja, um atleta com cerca de 80g de peso corporal deverá ingerir em média 120g de proteína, sendo 60% de alto valor biológico (animal) e 40% de baixo valor biológico (vegetal).

Sandra Sardinha.

Não há resultados anteriores.

Publicações Relacionadas

Botão Voltar ao topo